segunda-feira, 31 de janeiro de 2005

Delibasic

Sérgio Delibasic foi esta tarde apresentado como reforço do Benfica.

Durante a conferência de imprensa relativa a essa mesma apresentação, garantiu que tencionava repetir uma proeza alcançada no passado: marcar frente a Sporting e FC Porto (fê-lo ao serviço do Partizan).

Estava o bom do rapaz a prometer tão ambicioso feito quando o presidente do clube, sentado a seu lado, diz em voz surda: "Deves marcar, deves..."

Surrealista, mas verdade. Palavra de honra!

Pedido à liga de clubes...

Será possível que o Futebol clube do Porto passe a jogar todos os fins de semana no Estádio do Dragão?

sexta-feira, 28 de janeiro de 2005

Virtudes

Depois de, finalmente, ter visto na íntegra o jogo de quarta-feira, cheguei a uma série de conclusões:

De momento, o Sporting pratica um futebol mais evoluído e organizado, mais maduro e construído nos processos ofensivos sem, porém, garantir ainda a consistência necessária para levar de vencida um rival que, actualmente, lhe é inferior. Neste aspecto, diga-se, o equilíbrio da equipa foi prejudicado pela precoce saída de Custódio.

Relativamente ao Benfica, e tal como vem sucedendo nas últimas duas temporadas, a qualidade de algumas individualidades vai atenuando as fragilidades colectivas. Com um futebol menos elaborado e mais directo, tira partido das características de jogadores como Simão, Geovanni e Nuno Gomes para chegar ao golo, sem que para tal seja obrigado a praticar ataque continuado e uma circulação de bola eficaz. Tenho para mim, apesar das inúmeras opiniões contrárias, que é através da utilização do 4-3-3 que maior rendimento se consegue extrair das soluções disponíveis no plantel encarnado, convicção que ficou reforçada na quarta-feira.

No meu entender, o dado mais relevante não está, porém, relacionado com o resultado, com o árbitro ou com o rendimento das equipas. No relvado da Luz ficou patente e provada uma das maiores virtudes do futebol português: apesar da dimensão limitada do nosso país, possuímos uma inesgotável fonte de talento. Os dois grandes de Lisboa fizeram alinhar dois "produtos" dos seus escalões de formação - que, mesmo sem o rigor e a qualidade desejados no departamento de futebol juvenil, continuam a lançar futuras estrelas - cujas carreiras, apesar de ainda em fase embrionária, estão votadas ao sucesso.

Manuel Fernandes e João Moutinho são, aos 18 anos, fenómenos pouco vulgares. Fisicamente aptos para o rigor da alta competição, tecnicamente evoluídos e devidamente instruídos na vertente táctica do jogo, é pela notável maturidade emocional e futebolística que se distinguem dos demais. Serenidade e inteligência, agressividade e ponderação, de tudo oferecem estes miúdos em quem podemos, com total legitimidade, depositar enorme dose de esperança. Venham mais...

P.S. Se alguma coisa aprendi em 18 anos de alta competição, é que a verdadeira motivação provém de um único factor: a vontade de ganhar. Quem quer um segundo guarda-redes motivado não deve correr o risco de o fazer alinhar, sem motivo que o justifique, numa partida decisiva para as aspirações da equipa numa competição importante. É, tão só, a minha opinião e não uma crítica ao treinador que, como outros (Mourinho fazia o mesmo no FC Porto), pensa de forma diferente.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2005

O RAPAZ E MAU ...POR ISSO NÃO LEVOU UM SOCO

........Queria dizer que sou adepto do Benfica, não gosto nada, mas mesmo nada do João Pereira e não me estou a referir enquanto jogador e gosto do Hugo Viana enquanto jogador e pessoa.
(por lapso não referi que vejo muito mal.)

Pelos motivos supracitados estou na dúvida se o Hugo Viana deu um murro na perna do João Pereira. Tenho a certeza porém que se ouvir mais alguns comentadores desportivos vou achar que esse murro não existiu, o problema é que as imagens continuam a dizer-me o contrário (mas claro eu vejo mal), este é apenas um pormenor sem muita importância.(Até nem foi com muita força para quem é tão mau, sim porque o Liedson e o Sá Pinto no outro jogo não fizeram teatro porque levaram murros....será assim ou fizeram teatro(palhaçada) e não levaram murros....confesso que estou confuso, mas o Liedson e o Sá Pinto até têm cara de bons rapazes o outro puto é que me irrita, já viram bem a cara dele.....uhmmm não, não levou um murro ou levou......

P.S. Será assim tão díficil tirar o murro(tecnicamente) daquelas imagens, era só para eu também poder dizer que o puto me irrita e que por isso não pode ter levado um murro....!

Guarda-Redes

Não percebo esta mania de pôr um guarda-redes diferente nos jogos da taça.
Muitos clubes fazem isso mas eu não me parece fazer muito sentido.

Se o Ricardo é melhor (se essa é a opinião de Peseiro) e joga no campeonato, porque raio há de jogar o Tiago contra o benfica na taça? Então, o treinador não diz que a taça é uma prioridade? Porquê por um guarda redes que praticamente ainda não jogou esta época?

Acho que o Sporting fez um grande jogo, que lhe faltou sorte e que foi nitidamente prejudicado pela arbitragem. Mas acho que se o guarda redes tem sido o outro, a equipa eliminada também teria sido outra.

Construção Civil

O treinador adjunto do benfica, Álvaro Magalhães disse "às vezes os assobios são elogios..." .
Estaria Álvaro a recordar-se dos tempos em que trabalhava nas obras e assobiava as raparigas que passavam na rua?

sexta-feira, 21 de janeiro de 2005

Perspectiva-se mais um reforço para os lados da Luz

Caso se confirme esta notícia, já estou a imaginar o título do Record de amanhã "RONALDINHO POR 4 ÉPOCAS NO BENFICA", Só faltam acertar pequenos detalhes...

Oportunidade

Sporting e Benfica divulgaram ontem, em conjunto (é difícil de acreditar, mas é verdade), um manifesto dirigido aos vários partidos que se propõem formar governo na sequência das próximas eleições legislativas. O documento apresenta um conjunto de propostas concretas que, no entender dos "grandes" de Lisboa, poderão contribuir de forma decisiva (e célere) para a resolução dos problemas mais urgentes do sector.

Não sendo novidade absoluta, até porque, na sua maioria, têm sido sustentadas pelos "leões" no último ano, este conjunto de medidas, a implementar através da alteração do actual quadro legislativo (leia-se Lei de Bases do Sistema Desportivo), pressupõe a falência do quadro associativo (leia-se Federação Portuguesa de Futebol [FPF] e Liga de Clubes). Ou seja, Sporting e Benfica entenderam ser impossível, no seio dos mecanismos e entidades que auto-regulamentam o futebol, proceder às reformas que consideram indispensáveis.

Durante o dia, várias foram as vozes que se levantaram contra esta iniciativa, com base em dois tipos de argumento. O primeiro foi utilizado por Gilberto Madaíl (como não) e pelo presidente da APAF (Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol), claro, e prende-se com a impossibilidade de, à Luz dos regulamentos da FIFA, retirar a gestão da arbitragem da tutela da FPF, enquanto o segundo se baseia num raciocínio comum: o facto de os clubes assumirem a incapacidade de resolver os seus próprios problemas constitui o esvaziar da sua força social.

Perante um conjunto concreto de propostas concretas, imediatamente se levantaram, escandalizadas, as vozes das virgens púdicas, as mesmas que fazem questão de tornar impossível qualquer reforma ou evolução no seio dos órgãos próprios ao movimento associativo. São estes os "interesses instalados", ontem referidos por Dias da Cunha e Luís Filipe Vieira.

Os presidentes de "águias" e "leões" chegaram à uma louvável conclusão: a tentativa de reformar o "sistema" a partir de dentro não é viável e, sobretudo, qualquer movimento nesse sentido só contribui para o alastrar do ambiente de guerrilha no futebol profissional. Não colhem, aqui, os apelos ao corporativismo barato, que mais não são que débeis esforços para assegurar a manutenção dos feudos particulares de cada um destes senhores, ou dos seus conjuntos de interesses.

Importa, então, proceder à reforma compulsiva, através de uma intervenção legislativa capaz de "obrigar" à imediata execução das medidas indispensáveis à credibilidade do sector. Se, por princípio, me desagrada a intervenção do Estado numa actividade que possui mecanismos próprios de regulamentação, a verdade é que, neste caso, cabe precisamente ao Estado o exercício do seu papel regulador e fiscalizador: claro, como está, que a estrutura associativa do futebol apodreceu, sendo incapaz de se auto-regenerar, não existe outra alternativa que não a de promover a reforma a partir do topo.

A solução passaria, portanto, pela alteração da Lei de Bases do Sistema Desportivo, de forma a que, a curto prazo, seja possível retirar a arbitragem da esfera de influência da Liga e da FPF. Para isso foi proposta a criação de um organismo autónomo, que ficaria encarregue da gestão da actividade, enquanto a fiscalização da mesma seria entregue a outro órgão independente, constituído à imagem dos Conselhos Superiores da Magistratura ou do Ministério Público. Outro ponto essencial, para os proponentes e para mim, passa pela completa "separação da gestão da actividade dos árbitros e da classificação dos mesmos".

Resta-me esperar que, na actual conjuntura política, as necessidades eleitorais obriguem as forças políticas a abraçar este repto, de forma a que não se desperdice esta rara oportunidade para, de uma assentada, ultrapassar alguns dos principais obstáculos ao crescimento do futebol em Portugal. Creio, infelizmente, que ainda não é desta... Ainda se esta recente aliança fosse resistente a um qualquer "penalty"...

quarta-feira, 19 de janeiro de 2005

Estigmatismo

Estou um pouco cansado da postura reactiva, mas parece-me indispensável esclarecer a minha posição sobre este assunto. Vamos por partes:

O processo que leva à publicação de notícias sobre a contratação de jogadores tem - à excepção de casos particulares, que em nada abonam em favor dos autores das supostas "notícias" - origem numa fonte. Essa fonte pode, ou não, ser confidencial e, no caso de o ser, não só o jornalista pode não a divulgar, como tem a obrigação ética de não o fazer. Invariavelmente, as notícias que dizem respeito ao interesse e/ou negociação com vista à contratação de um qualquer atleta têm fundamento embora, como é evidente, a transferência possa não se realizar.

Se, num jornal generalista ou num noticiário televisivo, for noticiada a existência de negociações com vista à fusão da Galp, Energia e da EDP, parece-me unânime que se trata de um assunto de manifesto interesse público, independentemente de, no desenrolar do processo, por qualquer razão, esta não se verificar. Quero com isto dizer que, numa lógica proteccionista que só aplica ao futebol, o nosso caro Poster entende que a contratação de um jogador só deverá ser notícia quando este for oficialmente apresentado pelo respectivo clube, enquanto, na minha óptica, é inteiramente legítimo que o facto de um emblema manifestar interesse em adquirir os direitos desportivos de um atleta seja, em si, objecto de tratamento noticioso.

Refira-se ainda que, ao apontar baterias à forma como a comunicação social trata as eventuais contratações (foram assim tantos os nomes ventilados sem fundamento... ou não?!), não se consegue mais do que encontrar justificações débeis para o insucesso, escamoteando aqueles que são os verdadeiros cancros do futebol, em particular, e do desporto em geral.

No que às relações entre clubes, jogadores e comunicação social diz respeito, as divergências acumulam-se. No dito triângulo, só um papel está plenamente definido: o da comunicação social! Quem promove a "marca", a "imagem" e os "sponsors" dos clubes? Quem proporciona a Sporting e Benfica uma média de 12 páginas diárias de publicidade "grátis" em três diários que, em conjunto, chegam a centenas de milhares de leitores (e potenciais consumidores)?

Qual a principal fonte de receita dos clubes ou SAD? A receita proveniente dos direitos televisivos. E a segunda? A receita gerada pela publicidade e "sponsorização". Não fôra a exposição gerada pelos "media" e a (in)capacidade de gerar proveitos reduziria os "grandes" do futebol português à sua expressão mais simples.

Posto isto, que ganham os clubes em fechar as portas das suas sessões de trabalho? Que benefício retiram dos "votos de silêncio" (e não me refiro ao caso de Mota que, prestes a ser apresentado em Alvalade, foi compreensivelmente impedido de prestar declarações à chegada) ?

Só existe uma resposta: Nada! Nenhum! Pelo contrário, a exemplo do que acontece em todas as Ligas de sucesso, o grande benefício está na promoção dos seus activos, na exposição da marca e dos patrocinadores... As mesmas pessoas que defendem o silêncio (ou a censura) dos principais intervenientes deste espectáculo são as que permitem e incentivam a incontinência verbal dos dirigentes, que tanto prestigia a actividade...

Fica um exemplo: em Barcelona, Madrid, Manchester, Chelsea ou Munique, entre muitos outros locais, conjuntura de resultados à parte, todos os dias presta declarações (pelo menos) um jogador seleccionado pela comunicação social e em todas as sessões de trabalho há um espaço para a profissional recolha de informações e imagem... Mas nós é que sabemos...

Mini Torneio Vale do Tejo - parte 2

Carlos Martins voltou mais cedo, lesionado (esperemos que sem gravidade).
Viva a selecção nacional B! Viva o interesse nacional de que falavam.

terça-feira, 18 de janeiro de 2005

miopia

estranha relação a que se forma entre os três lados desse triângulo: clubes, jornalistas e jogadores ... vá-se lá saber porquê mas parecem ter interesses antagónicos ... e existem várias hipóteses (qualquer delas muito plausível) que parecem justificar tão ensombrado facto !

então não é que os clubes (quais carrascos da indústria) parecem apostados em fornecer informações falsas para despistar os jornalistas, refiro-me naturalmente, às pseudo-contratações no âmbito da abertura do mercado de transferências, de forma a conseguirem contratar alguém que não seja inflacionado pelo número de notícias e especulações em redor da suposta falsa informação (fuga ? em quantas notícias destas é que vem citada a fonte ? ou será que é totalmente fabricada ?) ... até aqui nada de novo não fossem os clubes no caso da grande maioria das notícias (dos últimos tempos - 2 anos) vindas a público não terem contratado o jogador em causa (um pormenor), não querendo isto dizer que fizeram muitas ou poucas contratações ...

então não é que os clubes proibem os seus jogadores, e mais assustador ainda, as suas mais recentes contratações de falarem quando chegam de chinelas e "camiseta" ao aeroporto da portela (mesmo que estejam sete graus)... prejudicando e muito o trabalho e o enorme motivo de reportagem dos jornalistas com sérias consequências no desenvolvimento do segmento dos jornais desportivos ! (imaginem só o valor acrescentado das palavras de qualquer jogador acabado de chegar ao nosso país - a K7, agora DVD, é sempre a mesma !)

então não é que os clubes se fecham a sete chaves em estágios que mais parecem campos de concentração a ver pelo aparato de sistemas de segurança e controlo (particularmente anti-jornalistas ... bolas isto já é uma perseguição !) e com isto retirando páginas de reportagem ... e proibindo através de autênticos "black out" os jogadores de estarem a menos de 100 metros de todo e qualquer projecto de jornalista (não vá ele perguntar então o que pensa do novo reforço que joga na sua posição, e segundo a imprensa internacional é um grande jogador e tem tudo acordado para assinar ainda hoje - basta um telefonema)...

como a campanha publicitária diria a propósito de uma bebida refrigerante (e não de um grande jogador que passou pelo campeonato português) ... porque será ?

P.S.: quero agradecer ao sr. vitor serpa pelo brilhante editorial de sábado no jornal a bola e dizer-lhe que não acredito que pense assim e espero que os clubes também não acreditem !




segunda-feira, 17 de janeiro de 2005

Teoria da conspiração - Senhor Olegário prejudica os esforços de vitória

"Olegário Benquerença foi caseiro principalmente no âmbito disciplinar e acabou por prejudicar os esforços de vitória dos jogadores do Sporting com a expulsão de Paíto, assente na inexistência de um dos cartões amarelos. Bem protegido por altos quadros da UEFA, se bem que não a pontos de ter direito a apitar no campeonato do mundo, o sr. Benquerença continua a deixar marcas negativos nos jogos que arbitra, e não apenas quando se esquece de ver bolas que entraram na baliza. Também não se percebeu a razão pela qual estendeu o período de compensação."
Que teoria da conspiração!!! - retirado de www.sporting.pt
No entanto, é de enaltecer a nota sobre as bolas que entraram na baliza...

Para quem levou um golo 20 segundos depois dos 3 minutos dados, comparado com um golo 2 minutos depois dos 8 minutos de compensação...é peanuts

sexta-feira, 14 de janeiro de 2005

Registo

Registo, com pena, o decréscimo na actividade intelectual do "nosso" bola4ever (agora, ao que parece, metamorfoseado em poster)...

Será que o resultado do "derby" custa assim tanto a digerir?

Deus

Sugiro que vejam e ouçam, atentamente, na SIC, a entrevista de José Mourinho. Sendo mais uma oportunidade para perceber porque o homem está convencido que é Deus, também contribui para achar que, se calhar, até tem razões para isso.

Pode ser um grande filho da mãe, mas ninguém nos garante (a não ser que esse alguém seja de Moreira de Cónegos e tenha ganho o Euromilhões) que Deus é um gajo porreiro...

Mini Torneio de Vale do Tejo

O sorteio da taça ditou que no próximo dia 26 vamos ter novo derby. Desta vez no estádio da Luz.
E o que é que vão estar a fazer Carlos Martins, Custódio, Manuel Fernandes e Bruno Aguiar na semana anterior ao jogo? Vão estar envolvidos no importantíssimo mini-torneio do Vale do Tejo ao serviço da selecção nacional B.
Fantástico!

quinta-feira, 13 de janeiro de 2005

Desejos...

Horas antes do Sporting - Benfica, dando mostras de um notável espírito desportivo, um amigo meu, fervoroso adepto encarnado, formulou um desejo: "que ganhe o melhor..."

Pois bem, meu caro, por aquilo que se viu durante os noventa minutos, o teu desejo tornou-se realidade...

Compra e venda de jogadores

Parece que os clubes de futebol estão cada vez mais adaptados às novas tecnologias.
Veja-se o exemplo do Bolton que anda à procura de clubes para os seus jogadores, oferecendo-os por email. .

Acho uma excelente ideia e acho que os clubes portugueses deviam adoptar essa política, nomeadamente o Benfica, que parece querer desfazer-se de grande parte do seu plantel.

Para ajudar à transferência do jogador Argel, deixo aqui a morada de email de alguns clubes que poderão estar interessados no seu contributo.

pontedabarca@clix.pt
cabeceirense@netcabo.pt
fazendense@yahoo.com
coruchense@iol.pt

quarta-feira, 12 de janeiro de 2005

Descubra as diferenças..

Muito se falou na semana que antecedeu o derby do caso Liedson, se ele deveria ou não ter jogado esse jogo, e da diferença de tratamento dada a este jogador e aos brasileiros do Futebol Clube do Porto.
Dizem os críticos (principalmente aqueles que não queriam ver jogar o melhor jogador do campeonato português) que o Sporting foi muito brando na repreensão do jogador brasileiro, enquanto o Porto teve um comportamento exemplar. Este comportamento levou mesmo o jornal desportivo de maior tiragem no nosso país, a atribuir a Pinto da Costa a medalha de Ouro, nos seus prémios diários.
Mas que diferenças fundamentais foram essas?
Analisando os factos, vejamos o tratamento que foi dado pelo Sporting a Liedson, e pelo porto a Diego (sim, porque este é o único que tem um lugar importante no onze portista, e por isso o único minimamente comparável).

- Diego foi treinar para a equipa B, Liedson treinou na equipa principal (note-se que o Sporting não tem equipa B)

- Diego entrou na segunda parte, Liedson jogou de início (note-se que o jogo do Sporting era muito mais importante do que o jogo do Porto)

- Não se sabe o valor das multas que ambos os jogadores terão que pagar.

São assim tantas as diferenças? Diego jogou quando o Porto precisou dele, Liedson jogou quando o Sporting precisou dele. Que importância tem ir treinar para a equipa B se depois se joga na mesma? O que incomoda a um jogador treinar numa equipa B? A meu ver não incomoda nada. Passa uns dias mais relaxado em que pouco ou nada corre.

O relevante é a multa financeira. Isso é que os chateia. Chegarem ao fim do mês e não receberem o que queriam. E essa multa, em qualquer dos casos, não sabemos qual foi. Por isso (e esperando que esta multa seja bastante elevada) acho que o Sporting fez bem. Tomou a decisão que, provavelmente, menos penaliza desportivamente o clube. E Liedson jogou e Liedson correu muito e LIEDSON RESOLVEU!!!!

terça-feira, 11 de janeiro de 2005

provedor do leitor

mas que grande confusão ! este entra ou faz que entra e sai ou faz que sai, de jogadores de futebol dos diferentes clubes (uns mais falidos e os outros também!)na reabertura do mercado de transferências deixa qualquer leitor mais atento (e por isso culpado!) à beira de um ataque de nervos ...

pois é, e por mim falo, já desde há algum tempo (por isso não resisto a sobre isto escrever) que sinto uma enorma sensação de culpa, talvez por não conseguir acompanhar as notícias desportivas (todos os dias ao ler os jornais tenho a sensação de que perdi - vejam só - em 24 horas um conjunto de notícias de grande importância, ou dito de outra forma, parece que o mundo futebolístico português deu uma volta de 360 graus)! e o mais engraçado é que o meu subconsciente (hello !) me vai deixando estas mensagens subliminares desde há muitas novelas (ou em espanhol culebrón) atrás (lembram-se da de la toja !) e depois de muitas e brilhantes páginas ...

este sentimento de grande frustração que é não poder assistir ao crescimento e à queda dos impérios (quais clubes desportivos) é acompanhado de um sentimento (que nostalgia a minha) de nada poder fazer para mudar este curso das coisas (agenda setting - é sempre bom poder dar um ar saloio à escrita usando estas expressões em estrangeiro ...)

até que um dia (algures da semana passada) reparei num livro (recente) que estava na prateleira da FNAC, mas sinceramente não perdi muito tempo com ele, talvez porque o título ou a causa não fosse muito comum ...

tenho consciência que até aqui nada de jeito escrevi, no entanto quero agradecer à minha fonte, pelo mote para este post que desde já aconselho a não ler (bolas só agora no fim é que aviso !)



segunda-feira, 10 de janeiro de 2005

Mr T.

Jornalista : Mr T. O que pensa do jogo de hoje frente ao Sporting?
Mr T.: Penso que fizemos um bom jogo. O nosso objectivo era aguentar um resultado que nos permitisse ter esperanças para o jogo da segunda mão. Marcámos um golo e conseguimos perder pela diferença mínima, penso que foi muito postivo. Tenho esperanças de poder passar a próxima eliminatória.
Jornalista : Mas Mr T. este era um jogo para o campeonato e não uma eliminatória a duas mãos.
Mr T. : Rocha? Ricardo Rocha?


Procura-se...



Foi vista pela última vez as 20h35 do passado sábado.
Quem souber alguma coisa contacte JAC para o nº. 0034918225894.
Obrigado

sexta-feira, 7 de janeiro de 2005

(Falta de) Bom senso, ou uma história de más intenções

Deus acordou mal disposto e decidiu atribuir as suas faculdades à pessoa do senhor Luís Guilherme. Não me perguntem porquê (prefiro não responder), mas alguém decidiu conceder o dom da omnipotência a este senhor, pelo menos no que à nomeação dos árbitros diz respeito.

Depois de se fingir que se queria discutir o problema da arbitragem e em vez de se analisarem as propostas sérias (que até existem, embora impliquem alterações legislativas), optou-se por colocar nas mãos de uma única pessoa a responsabilidade de decidir que árbitros reúnem as melhores condições para dirigir cada partida.

Ora, poder-se-ia pensar que tal incumbência obrigaria a ponderação e bom senso no exercício das funções, mas não me parece que alguma vez tenha sido esse o objectivo. Depois de inúmeros exemplos de nomeações incompreensíveis (ou talvez não), tinha chegado o momento de eleger um árbitro para o dérbi, o primeiro grande acontecimento desportivo de 2005 neste país à beira-mar (lá estou eu outra vez... juro que não é de propósito) plantado e, como não, o senhor Luís Guilherme optou por... Duarte Gomes!

Avisem-me se estiver maluco, mas escolher um árbitro que, quando era apontado como uma das grandes esperanças da classe, quase viu a sua carreira chegar ao fim por ser acusado de prejudicar os encarnados num Benfica - Sporting (2-2, na época 2001/2002) denota uma certa falta de bom senso (ou uma incrível dose de más intenções).

Tendo em conta que o "penalty" sobre Jardel, indevidamente assinalado nesse confronto, o condenou à "prateleira" durante longos meses, é legítimo pensar que este confesso benfiquista tem condições para, livre de pressões, dirigir este encontro? Consciente de que uma afronta ao emblema da águia significaria o fim das suas ambições, não estará a isenção da sua actuação condenada à partida?

Espero que não, até porque acredito que Duarte Gomes é dos menos maus entre os seus pares, mas quem o nomeou não se livra das consequências da sua (duvidosa) decisão...

Todos pá fogueira

Não há pior escumalha à face da terra do que os jornalistas, classe na qual, infelizmente, me incluo (não imaginam como, quando acordo de... tarde e me lembro da profissão que Deus me destinou, me auto-flagelo até à inconsciência com um chicote de rabo de boi). Triste sina a minha, que não desejo ao meu pior inimigo. Por mais que me fustigue, não me livro da ignomínia de pertencer a esta corja de párias, de parasitas mesquinhos que se alimentam da boa fé de terceiros para desmantelar (entre outros, senão todos, sectores da sociedade) o fenómeno desportivo e estou consciente de que nenhuma penitência será suficiente para me livrar de arder por toda a eternidade no mais profundo dos infernos.

E não pensem que a nossa perfídia se esgota nas semanas passadas a fabricar notícias falsas e/ou caluniosas! Não! Pelo contrário, basta ir a um estádio para ver como, emboscados ardilosamente, desempenhamos o nosso abjecto papel: no fim de semana, é ver como o gajo do "Record" empurra Paíto, obrigando-o a marcar um auto-golo com o peito (chapéu ao alcance de poucos craques), como o sacana de "A Bola" sopra o apito do árbitro, com o fim de invalidar um golo limpo de Hugo Viana contra o Braga, ou como a súcia de "O JOGO" se pendura na camisola de Simão para impedir que este fuzile o guarda-redes do Belenenses...

Desenganem-se aqueles que pensavam que alguns dos problemas do futebol português podiam ter origem na incompetência de alguns gestores, na falta de rigor e transparência de clubes e SAD's, no incumprimento das obrigações fiscais ou na criação da conjuntura que permite este sistema de nomeação dos árbitros! Tudo treta!

Haverá ainda alguém suficientemente ingénuo que pense que aquilo que se passou na sala de imprensa do Estádio da Luz, depois do Benfica - FC Porto, corresponde à realidade?! Que, em Alvalade, no Sporting - Benfica da época transacta, uma claque seria capaz de invadir o campo? Que, em Guimarães, no jogo do Vitória com o Sporting, voaram cadeiras na direcção de árbitros, jogadores e "stewards"?! (neste caso, a Liga provou ser a única entidade capaz de discernir a verdadeira realidade, pois entendeu que nada de anormal se tinha passado...)

Como se fosse possível que dirigentes de um clube como o Benfica, em plena sala de imprensa, insultassem as mulheres dos convidados?! Como se fosse possível que claques e adeptos incorressem em comportamentos incorrectos?! Abram os olhos! É tudo obra nossa!

Vamos acabar com isto. Vamos, de porta em porta, recolher todos esses miseráveis e, aproveitando a simpática inspiração desse vulto da democracia que dá pelo nome de Otelo Saraiva de Carvalho, atirá-los todos para o Campo Pequeno! Vamos fuzilá-los! Melhor ainda, façamos uma fogueira com todos eles! Salve-se o futebol português, salve-se a sociedade, vingue-se o Mundo!

Para o bem comum, eu ardo primeiro...

Amanha há derby



FORÇA SPORTING!!!!!

escolha um título

ano novo ... vida nova ... jornalismo novo ! não me lembro de um reveillon com tantas passas e tanto champanhe (espumante neste caso !)

finalmente e depois de tantas críticas (algumas infundadas e com origem neste modesto BLOG) o jornalismo e a forma de fazer notícias parece dar os primeiros sinais de estar a mudar ... mas mais do que isso parece estar a acompanhar os novos tempos e a nova era tecnológica !

dito isto veja o leitor se consegue acompanhar este diabólico ritmo de mudança (já era hora de esta indústria se modernizar):

- que dizer de um jogador com as pernas tão compridas (que grande defesa !) que consegue estar a meio tempo em dois empregos (um em lisboa e outro em madrid) - bem vindo à era do part time na indústria da bola;

- que dizer do excelente trabalho (já reconhecido pelo governo) desse gestor profissional que é fernando pinto, conseguindo novos índices de rentabilidade, e de pontualidade e acima de tudo brilhantes taxas de ocupação na aviação (bem sei que terá contado com a ajuda de alguns passageiros premium que teimavam em sentir-se bem a bordo - novo conceito de fidelização - estando muitos deles até à hora de fecho desta edição ainda em pleno vôo);


- que dizer dessa telenovela que finalmente chegou ao fim (tendo mantido em suspense as audiências até ao útlimo episódio !). afinal eram mesmo quatro os reforços de um clube da capital, se não passo a explicar (combinações de 2 em 2 - lembram-se desta matéria em matemática do antigo 12º ano): um jogador de 20 anos trazido pelo fundo de investimento MSI, outro de 20 anos (que não é o mesmo) trazido por outro fundo de investimento com o nome de GSI, outro de 21 anos trazido pelo fundo de investimento chamado MSI (o mesmo fundo que assegurou o primeiro reforço) e, finalmente, um jogador de 21 anos trazido por esse grande fundo de investimento que dá pelo nome de GSI (com o mesmo nome mas é só coincidência). a única parte que não interessa é o nome do jogador (é sempre o mesmo mas isso não interessa !)


pois é ... a vida é mesmo assim e as transformações vão surgindo a um ritmo vertiginoso, e se não as consegue acompanhar junte-se a elas .... que grande capacidade de adivinhar o futuro, de lidar com as novas tecnologias, de criar novas formas de negócio ...

a esta nova era podemos chamar jornalismo virtual (já saímos da era interactiva) ! agora senhor leitor, ouvinte e telespectador, cuidado porque o desafio já está do seu lado ! a culpa é sua se não acompanha as tendências, se não consegue fazer de uma qualquer notícia a notícia que quer ter !

participe porque passa a ser parte da noticia ! você cria, monta e interpreta como quiser ... que estúpidos aqueles que ainda não tinham percebido !


P.S.: como estou no ar e o meu telefone não toca, não consigo ligar para a minha redacção ! por favor escolha o título que eu escolhi o conteúdo !

quarta-feira, 5 de janeiro de 2005

Qual era a necessidade?

Depois de tanta confusão com o 5ºamarelo do Liedson, José Peseiro resolveu colocar no onze frente ao Pampilhosa outro jogador em risco de exclusão, Anderson Polga. Porquê? Para quê? Para ele correr o risco de levar um cartão ridículo como o Paíto levou?
Acho que se esse cartão tem acontecido, José Peseiro iria ouvir do público, em uníssono, a frase que Rochemback lhe disse no Dragão....