segunda-feira, 28 de novembro de 2005

E Deivid... resolve

Muitas serão as possíveis considerações a tecer sobre a ausência de Liedson - que até pode ser de duração indefinida - mas a verdade é que Paulo Bento recolheu a devida recompensa da sua atitude através da prestação de... Deivid.

Depois de exibições deprimentes, o técnico concedeu-lhe nova oportunidade - e enorme responsabilidade - e o 23... resolveu.

Merecido destaque ainda para Carlos Martins e Ricardo: o primeiro confirmou - principalmente na segunda parte - o potencial para desempenhar um papel fundamental neste Sporting enquanto, no caso do segundo, já se nota a influência da renovada equipa técnica. Uma exibição para calar alguns detractores...

A última nota não pode deixar de ir para a formação vimaranense: o Vitória tem um plantel recheado de qualidade e merece outro lugar na tabela classificativa.

terça-feira, 22 de novembro de 2005

A verdadeira estória do gesto de Nuno Gomes

Tudo não passou de um mal entendido. De facto, o gesto de Nuno Gomes era para Ronald Koeman e fazia parte de uma conversa que os dois estavam a ter.

Diz RK: "Oh Nuno, que parvoíce foi aquela de ires a correr buscar a bola dentro da baliza, quando já tinhamos empatado? Achaste que podíamos ganhar? Não viste que os rapazes estavam a correr muito mais que nós e que empatámos por milagre?"

Ao que Nuno respondeu "Desculpe Mister, devo estar drogado para ter feito um disparate tão grande".

E pronto, está explicada a atitude do (na altura) capitão do Benfica. Ele nunca insinuaria que os jogadores do braga estavam dopados. Tal como Petit o ano passado não o fez no jogo contra o Rio Ave. Apenas elogiou o prepador fisico do clube de Vila do Conde por ter conseguido por os seus rapazes a correr durante 90 minutos.

sábado, 19 de novembro de 2005

José Veiga é que sabe

Depois de, na passada jornada, ter exigido com sucesso o regresso da proverbial "jarra" para os árbitros prevaricadores, o irrepreensível José Veiga irá agora, certamente, pedir para João Ferreira o mesmo destino que garantiu a Augusto Duarte e Paulo Pereira.

Razão tinha o inefável dirigente/empresário/proprietário/accionista em solicitar a pronta intervenção das instâncias reguladoras, uma vez que estas pareciam estar esquecidas das suas obrigações.

Agora que João Ferreira conseguiu ser a única pessoa no Municipal de Braga a "descobrir" um penálti no período de compensação, estou certo de que José Veiga não se irá coibir de criticar o juiz pelo... "off-side" milimétrico que ficou por assinalar no terceiro dos minhotos.

Só a mim é que ninguém me leva ao colo...

sexta-feira, 18 de novembro de 2005

Particulares

Os encontros de carácter particular disputados pela Selecção Nacional servem, aparentemente, para perceber quem não deve ir ao Mundial...

terça-feira, 8 de novembro de 2005

Manobras da Televisão

Os desenvolvimentos da tecnologia resultam em que a televisão mostre coisas que nunca existiram ou nunca foram ditas. Imagine-se que a televisão mostrou:
O Co Adriaanse a dizer que se ia embora se visse lenços brancos, que toda a gente sabe que ele não disse.
O Luis Filipe Vieira a dizer que se não tivesse 300 mil sócios em Outubro se ia embora, quando ele era incapaz de fazer uma coisa dessas aos sócios do Benfica.
O Ricardo Rocha a abraçar o Gaucho dentro da área de uma maneira que não se via na luz entre dois homens desde que o capitão Calado saiu do clube, quando toda a gente sabe que o RRocha é um jogador muito correcto e nem gosta de homens.
O Fábio Felicio a pisar o João Moutinho e a rasteirar o Liedson pelas costas, quando foi o Sá Pinto que agrediu os jogadores da própria equipa.

E depois disto tudo querem fazer crer que só porque a televisão mostrou a bola do Leiria dentro da baliza do Sporting devia ter sido golo. Claro que não foi. Foi só mais uma manobra televisiva para prejudicar a imagem do Ricardo.

sábado, 5 de novembro de 2005

Toda a gente sabe que...

... só é golo quando a bola bate na rede!

Produto dos Media

O ano passado os jornalistas portugueses devem ter decidido inventar um jogador de futebol. Juntaram-se todos e decidiram que a partir desse altura em todos (ou quase todos) os jogos do Sporting de Braga iriam dizer que o melhor jogodor em campo seria o João Alves.

Só isso pode justificar que um jogador tão elogiado na época passada, não faça uma coisa certa este ano.O rapaz em 10 jogos (mais coisa menos coisa, embora a maioria não completos) e tudo o que fez foi um remate ao poste contra o halmstads. Desde aí é uma completa nulidade. Não faz um passe decente, um remate perigoso, não corta bolas a meio campo, nada.

Parece que os jornalistas impingiram ao Sporting um barrete (quem é o responsável por ter sido enfiado?) de 5 milhões de Euros (penso que seja este o valor).
Ontem Scolari convocou-o novamente para a selecção. Cada vez mais acho que tenho razão.

Os iluminados

A incompetência não tem, definitivamente, qualquer limite.

O senhor Augusto Duarte deu, em Alvalade, um importante contributo para a evolução da ciência, só ao alcance dos verdadeiros iluminados - não confundir com as alarvidades de Dan Brown.

Aos 30', com a indispensável colaboração de António Neiva, seu assistente, demonstrou como os 25 046 espectadores - aos quais há que acrescentar dezenas de jornalistas, "stewards", polícias, 36 jogadores, equipas técnicas e, provavelmente, o outro assistente, José Ramalho, que se encontrava a mais de 50 metros do lance - não percebiam nada disto: um guarda-redes, deitado, de costas, no fundo da sua baliza, defendeu sem que a bola ultrapassasse a linha de golo.

Haja democracia: aqueles dois "profissionais" do apito foram os únicos a achar que Renato não tinha marcado... logo... qual golo, qual carapuça!

Sempre fui um defensor da utilização de tecnologia capaz de auxiliar ao trabalho dos árbitros mas, hoje, confesso a inutilidade de tal medida: com gente desta, não há milagre que nos salve!

Como se tal não bastasse, Augusto Duarte converteu em asneira a esmagadora maioria das suas intervenções, sobretudo no que ao capítulo disciplinar diz respeito. A título de exemplo, diga-se que Fábio Felício foi poupado a uma expulsão que se impunha em... TRÊS ocasiões...

Assim, não há quem aguente...

quarta-feira, 2 de novembro de 2005

E o prémio "Monty Python" da semana vai para...

Raul Meireles.
Pela sua hilariante prestação no segundo golo do Inter.

terça-feira, 1 de novembro de 2005

Admirável mundo novo

Sabendo que me afasto um bocado do futuro antecipado por Aldous Huxley, não posso deixar de registar - com algum agrado - a invulgar conjuntura que marca a actualidade do futebol português.

À passagem da nona jornada, o Sporting de Braga lidera o Campeonato com cinco pontos de vantagem sobre o FC Porto, segundo classificado - Benfica, em quarto, está a seis pontos e o Sporting, a nove, no grupo dos quintos colocados - e demonstra, com regularidade, ser a formação mais consistente em competição.

Como se tal não bastasse - note-se que não pretendo retirar qualquer mérito à equipa de Jesualdo Ferreira, apenas assinalar algo que, apesar de natural, dificilmente poderia ter ocorrido em anos recentes -, na última ronda, os minhotos sedimentaram a vantagem pontual enquanto os teóricos "grandes" empatavam, em encontros marcados por erros de arbitragem.

No FC Porto - Setúbal ficou por assinalar uma clara grande-penalidade sobre Jorginho, no Naval - Benfica o lance do golo dos anfitriões pecou por posição irregular - ainda que marginal - de Bruno Fogaça e, no Bessa, João Ferreira voltou a brindar o público com uma exibição ridícula.

Assim, e desde que os equívocos dos juízes se distribuam democraticamente entre os "grandes" e os "outros", podemos ter esperança de que se faça história na principal competição lusa.

Haja Fé, minhotos!