sexta-feira, 28 de outubro de 2005

Contribuição para uma boa causa

Segundo esta notícia do Jornal "A Bola", Bruno Alves e Ricardo Costa estão a renovar até 2010.
Pinto da Costa deverá publicar em breve, no site do clube, o NIB da conta para a qual deveremos fazer a nossa contribuição.

quarta-feira, 26 de outubro de 2005

A festa da Taça

Anderson Polga em mais um momento de rara inteligência (momentos aliás que tem sido muito frequentes nas últimas 2 épocas) conseguiu ser expulso em tempos de desconto num jogo contra uma equipa da segunda divisão, que estava a jogar com 10, num jogo em que o Sporting estava a ganhar por 2-0.

Obrigado Anderson!

segunda-feira, 24 de outubro de 2005

Brincar aos sumarissimos

Após 2 semanas a pensar, decidiram punir Petit com um jogo de suspensão.
O médio do benfica fica assim afastado do importante embate com o..... Leixões.
Nem vale a pena dizer mais nada.

Guerra por um lugar no Campeonato do Mundo

Interessante esta luta que os guarda redes do benfica estão a fazer por um lugar na selecção.

Primeiro foi Moreira, com uma (aparentemente) pequena lesão que o afastou do jogo do Dragão, cedendo a titularidade a Moreira.
A seguir responde Quim, magoando-se no jogo com o Villareal.
Mas Moreira responde rápido, e com uma lesão de 6 meses, entrega de mão beijada a titularidade a Quim, ficando com um pé na Alemanha.
Quim não desarma. E foi agora operado, parando 3 semanas. Parece insuficiente para perder a titualidade e dificilmente vai assegurar a presença no Mundial com esta lesão. Mas aguardam-se as cenas dos próximos capitulos....

sábado, 22 de outubro de 2005

refundar um CONCEITO ...

que grande azar ! ontem à tarde sem querer estava a ver a rtpn quando de repente ligam a alvalade (passo rapidamente os canais porque não queria perder pitada e vejo que não era o único a testemunhar - sic notícias também - o facto surreal que se seguiu e sobretudo a trágica reflexão que o meu mau feitio originou!)

bolas, pensei, estão tramados os leitores do "críticos da bola", como é que os vou convencer daquilo que parece ter sido encoberto até agora no scp, tem servido para encher tantas e tantas "bocas", incluindo neste blog, páginas de jornais e outros espaços de domínio público, e que está completamente errado ...

como é que eu os vou convencer que esta conferênca de imprensa (será?) teve o condão de por a nu algo que nunca foi falado a propósito dos "quadros" do clube das riscas ! sensacional a forma bem conseguida com que passaram a ideia de família, de pessoas humanas (todos pediram desculpas a todos e apelaram à compreensão de todos, que bonito, senti-me tocado, não queria dizer publicamente, mas fiquei lamechas, até me esqueci que os praticantes daquela modalidade mais violenta ainda fazem parte do plantel, uppss, tinha prometido não mais falar nisto mas puxam por mim ...no fundo, um evento que disfarçou o excesso de profissionalismo sempre evocado no scp (comunicado e por isso tornado verdade!) ... porque foi brilhante na forma como roçou o provincianismo (viram a excelência com que o actor principal simulou ter-se esquecido de avançar mais dois pormenores aos amigos jornalistas - um deles era só o novo ex director desportivo!)...

como é que eu os vou convencer que a "crème de la crème" dos gestores que passaram no scp não conseguiram até agora (como de resto nos outros clubes todos, com a diferença que sempre tiveram a fama de mafiosos - incluindo slb e fcp) impor um modelo que levasse ao saneamento, senão atentem no passivo do clube e na conta de exploração, onde claro está o primeiro tem sido uma vítima acumulada do segundo !)...

como é que eu os vou convencer numa atitude desesperada de sobriedade de que aquilo que se tem dito e escrito sobre a estrutura (então não é que uma das grandes mais valias passa a ser o miguel ribeiro telles estar disponível para ajudar! claro, dentro das limitações de tempo e profissionais - aqui na verdadeira acepção da palavra !)e sobre os gestores (então não é que numa atitude magnanime vão dar uma oportunidade ao "coitadinho" do paulo bento - até me fez pena!), não se enquadra na minha visão de profissionalismo (já sei que sou picuinhas, mas o mais recente exemplo também não me entra na cabeça - o número dois do "plantel" passa a assinar e a ostentar a braçadeira de número um !)


como é que eu os vou convencer de que nada do que se tem passado no scp (infelizmente para uns e felizmente para outros) corresponde aquilo que consta de um qualquer modesto manual de teoria organizacional: nem no que toca a pessoas nem no que toca a estrutura !


só eu sei porque que é que não os vou convencer de que podem estar a ficar presos na sua própria teia ...

o conceito está vendido, o equívoco está comprado, as bases são de areia ... profissionalismo !

quarta-feira, 19 de outubro de 2005

Dias da Cunha

Começo a ganhar o hábito de proceder aqui a sucessivas "despedidas".

Ao contrário do que alguns podem pensar, nunca tive qualquer espécie de relação pessoal com Dias da Cunha, pessoa com quem apenas mantive alguns contactos no exercício da minha actividade profissional.

Confesso, porém, que admiro as qualidades do agora ex-presidente do Sporting. Determinado na defesa dos seus princípios, intransigente - por vezes até demasiado - no sustentar das suas convicções, enfrentou com coragem notável desafios homéricos e, na maioria das vezes, soube encontrar forma de atingir os objectivos essenciais.

A construção do novo estádio, bem como da Academia Sporting, dotou o clube de infraestruturas de vanguarda, que se constituem como obra fundamental para o futuro dos leões. Fê-lo, com a colaboração de muitos outros, é certo, ultrapassando colossais dificuldades, mas dotou o emblema verde e branco de excelentes condições - de trabalho e evolução - apesar do difícil panorama financeiro.

"Herdeiro" dos valores preconizados pelo "projecto Roquette", procedeu ao saneamento financeiro do universo leonino e trabalhou para o equilíbrio, sempre com a perspectiva de devolver aos sócios aquilo que hoje depende da colaboração com os bancos.

Pelo caminho ficaram erros nos vários modelos de gestão que implantou na SAD, mas também alguns dos maiores sucessos desportivos das últimas décadas. Hoje apontam-se os equívocos e a responsabilidade no afastamento de Miguel Ribeiro Telles ou José Eduardo Bettencourt, mas já ninguém se lembra que foi Dias da Cunha quem os "recrutou" para o serviço do Sporting.

Não menos importante foi o combate travado pela regeneração do futebol português. Incansável na luta contra o edifício dos poderes estabelecidos, logrou provocar mudanças que muitos julgavam impossíveis. Mesmo se deixa a presidência sem ter alcançado todos os objectivos que, neste campo, estabeleceu, ficam as propostas concretas que apresentou para a reorganização das estruturas que regem o futebol profissional.

Naquele que deveria ser o ano de consagração do seu percurso como "comandante" da "nau" verde e branca, abrilhantado pelas comemorações do Centenário, Dias da Cunha renuncia ao cargo em litígio com uma franja de adeptos. Sairá sem o reconhecimento que, no meu entender, lhe seria devido, mas não tenho dúvidas que nesta, como em tantas outras ocasiões, a História se encarregará de lhe fazer merecida justiça.

Da mesma forma como aqui repugnei a forma como, em Alvalade, se abdicou dos serviços de Pedro Barbosa e Rui Jorge, sem que lhes fosse prestada a devida homenagem, chamo agora a atenção de todos aqueles que então apontaram o dedo ao presidente: não cometam o mesmo erro com quem, com dignidade e abnegação, serviu o vosso clube.

PS - Estará para breve o regresso de um dos "desejados".

terça-feira, 18 de outubro de 2005

Sporting, que futuro?

O Sporting atravessa um momento decisivo e que concentra, nas próximas horas, o que bem poderá ser a definição da sua identidade para os próximos anos. Dias da Cunha convocou para quarta-feira uma reunião do plenário dos órgãos sociais, onde deverão ser discutidos alguns dos cenários adiantados aqui, altura em que se saberá ao certo qual o futuro da equipa técnica, do conselho de administração da SAD mas, sobretudo, da actual direcção.

Preferi escrever este post antes de qualquer mudança de fundo, por entender que importa esclarecer a minha opinião sobre a actual envolvente do universo leonino.

A primeira conclusão é simples: o modelo de SAD vigente falhou. Falharam as pessoas escolhidas para o interpretar mas, sobretudo, falhou a organização estrutural. O Sporting não soube sobreviver à saída de Carlos Freitas, como já não tinha conseguido ultrapassar o abandono de Ribeiro Telles e Bettencourt.

As causas da evolução deste processo são de ordem diversa, embora a responsabilidade tenha de recair, institucionalmente, sobre quem tinha a responsabilidade de decidir: o presidente.

É, porém, fundamental clarificar alguns aspectos.

Independentemente do que venha a ocorrer nos próximos dias, o consulado de Dias da Cunha foi extremamente bem sucedido, sobretudo naquilo que era vital para a sobrevivência do emblema verde e branco: liderando o processo de regeneração do futebol português - ainda em fase embrionária -, na sequência do trabalho desenvolvido por José Roquette, o actual presidente promoveu a reestruturação do clube, construiu infraestruturas essenciais ao futuro e garantiu o rumo do equilíbrio financeiro - imprescindível, depois das irresponsabilidades que marcaram o passado, em nome das mais diversas falácias.

Acredito firmemente que a atitude e a coragem demonstradas pelos dirigentes do Sporting contribuíram de forma decisiva para o futuro deste - e de outros - desporto em Portugal e a eles se deve, em grande medida, o inegável progresso registado nos últimos anos. Sem negligenciar os sucessos competitivos, estou convencido de que a solidificação da estrutura é a única garantia de que estes serão alcançados no futuro.

Se subscrevo na íntegra os passos dados na condução da estrutura financeira e empresarial do grupo Sporting, a gestão desportiva tem de ser analisada sob diferente prisma.

Desde 2000, independentemente dos títulos conquistados, é inegável que foram cometidos erros, alguns graves mas, fundamentalmente, desnecessários. Não partilho da tese que aponta para a necessidade do envolvimento do presidente no "mundo do futebol" - Ribeiro Telles e Bettencourt, hoje tidos como exemplos, também estavam longe de ser especialistas quando iniciaram funções - mas estou certo que a complementaridade de funções é imprescindível.

Os citados dirigentes desempenharam o seu papel de forma louvável, mas contavam com os conhecimentos de Carlos Freitas. Este, sozinho, continuou a executar com competência a sua função, mas não foi capaz de colmatar a lacuna provocada pela ausência de liderança efectiva na SAD.

Assim, importa agora tomar decisões para o futuro, tendo por base uma perspectiva global. O que se segue é, apenas e só, a minha opinião, que seria a mesma para qualquer outro dos ditos "grandes".

Parece-me que o mais importante é que os dirigentes e sócios do Sporting sejam capazes de encontrar uma alternativa sólida e eficaz para a gestão do futebol profissional, algo que pode ser alcançado sem demasiadas convulsões.

Estou certo que as tarefas devem ser entregues a quem tem habilitações para as desempenhar. Ou seja, acredito que Dias da Cunha e a sua equipa possuem condições ideais - como já demonstraram - para continuar a assegurar a condução do Grupo Sporting, sempre e quando seja possível encontrar o modelo de gestão desportiva adequado.

É de extrema relevância que o futebol seja liderado por alguém que compreenda o fenómeno desportivo nas suas diversas vertentes - independentemente de competências técnicas, que podem ser fornecidas por um elemento externo ao conselho de administração, tal como sucedia com Carlos Freitas.

Os erros acumulados na transição para a presente temporada são disso paradigma suficiente. Concordo - pelo menos parcialmente - com quem clama pela importância da emoção no quotidiano do clube. A paixão - seja pelo clube ou pelo desporto em si - é o motor de qualquer organização envolvida nesta actividade, mas também da própria equipa. Quem não o perceber, está longe de poder compreender um grupo de alta competição.

Por isso aqui considerei grave a forma como Pedro Barbosa ou Rui Jorge foram tratados - a exemplo do que ocorreu no passado com outros atletas de referência -, mas também por isso seria dramático que o mesmo tratamento fosse agora dedicado a Dias da Cunha. A História se encarregará, contudo, de fazer justiça a todos eles.

Uma última palavra para a actual administração da SAD. Pedi tempo para Paulo de Andrade, por não acreditar nem num D. Sebastião de ocasião, nem na crucificação de alguém como único responsável por todos os males. Achei que era preciso conceder margem suficiente para que ficasse clara a capacidade dos actores para desempenhar os papéis atribuídos.

Agora, está demonstrado que se tratou de um erro de "casting". Para Rui Meireles o balanço terá se ser diferente, uma vez que liberto das responsabilidades no âmbito do futebol, para as quais também não parece estar talhado, terá de regressar às suas funções de origem, no exercício das quais tem merecido elogios, oriundos de diversos sectores, internos e externos ao universo empresarial.

Em suma, Dias da Cunha não pode ficar isento da responsabilidade do recente fracasso, pois foi ele quem concebeu o modelo de SAD que o provocou - como também não lhe pode ser retirado o devido mérito pelos êxitos do passado. Em jeito de balanço, torna-se agora necessário ponderar qual o rumo a seguir, de forma a que seja possível encontrar uma solução eficiente para a gestão desportiva.

Por tudo aquilo que procurei explicar, continuo a acreditar que essa alternativa é viável sob a alçada da actual direcção. Caberá aos dirigentes do Sporting e, em última instância, aos seus sócios, essa decisão.

Uma lição de VIDA

Numa altura em que tantos roçam a histeria por causa de resultados desportivos circunstanciais ou triviais problemas quotidianos, tropeço naquilo que realmente importa.

Para quem de perto viveu a recente tragédia a que me refiro, este será um momento de dor, mas para todos nós, que de longe assistimos com pesar, o exemplo de Daniela tem de ser uma lição de VIDA.

Daniela viverá para sempre no coração dos que lhe eram próximos - aqui ficam os meus sentidos pêsames -, mas todos os que, como eu, não tiveram o privilégio de a conhecer, excepção feita a alguns posts escritos no Futebol de Ataque, têm a obrigação de crescer com tamanha demonstração de coragem, amor à vida e, neste caso, ao desporto.

Leiam e pensem bem no que é realmente importante.

Pela minha parte, um sincero Obrigado.

Que todos saibam viver assim...

segunda-feira, 17 de outubro de 2005

os "gatekeepers" da informação

ora tomam lá e embrulhem ! a culpa é toda vossa ! vocês comunicação social ! essa quadrilha !

eu já desconfiava que os casos estranhos que se tem passado no futebol português não podiam ter soluções tão simples como as apontadas nos posts "tristezas não pagam divídas" e "de pernas para o ar" e depois de mais uns dias de "black out" verde e de "black in" azul percebi que os erros são dos média ...

mas é tão grave que eu próprio e cada um de nós se deve sentir completamente enganado ... então não é que das duas uma, ou foram feitas montagens com as declarações de jacob e o próprio tem razões para apresentar queixa em tribunal contra a comunicação social ... ou o tradutor da peça pensou que ele estava a falar holandês (e era inglês!) e vai poder ser processado (que falta de profissionalismo!) ...

bom mas o caso não fica por aqui ... depois da conferência de imprensa dada após o final do fcp-slb ficámos com a sensação de que a culpa era dos jornalistas que nos tinham aldrabado, mas vai daí, tanto a sic como a tvi voltaram a passar a peça mais antiga (sim a dos lenços brancos!) e o telespectador mais fluente em inglês pode testemunhar que aquilo que tinha sido gravado parecia desmentir o que o mesmo tinha dito mais recentemente ... no seguimento disto os órgãos de comunicação social vão por sua vez e conjuntamente processar a empresa que forneceu os microfones e os respectivos sistemas de gravação audio (brilhante!)... e já agora por pouco mais dinheiro (advogados, etc ...) estão também a estudar a possibilidade de processar a empresa que fornece as câmaras e os sistemas de captação vídeo (registam a cor azul quando na realidade é encarnado - incrível!)

mas este lobby fortíssimo que é a comunicação social faz chegar o seu poder a todos os campos no sentido literal da palavra ... então não é que conseguiram virar o roberto contra o custódio com clara influência no resultado do último domingo, disse o segundo para o primeiro (enganaram-se aqueles que pensavam que eles não se falavam!) em jeito de vingânça: não admira que me tenha parado o cérebro com o selo que me deste ... agora corre tu atrás desse dr. "brasuca" (deve ser estudante de erasmus !) e vê se evitas o pior (peço desculpa mas ele terá pensado: o melhor, a saída do josé - coincidências !)

ponham-se a pau patrões da comunicação social porque o poder está a mudar de mãos ... que o digam o jacob e o antónio que têm manipulado como querem e melhor do que ninguém estão a passar a pressão ... eles são muito inteligentes na forma como o fazem e estabelecem o agenda setting ("toma lá" para não dizerem que não domino o "mettier") !


sejam bem vindos estes dois novos grupos de comunicação social e como em casa de ferreiro o espeto é de pau ...

domingo, 16 de outubro de 2005

A Amélia e o craque

O Benfica bateu o FC Porto em pleno Estádio do Dragão - de forma justíssima, diga-se - e fico tentado a mais uma exibição da minha evidente modéstia: às vezes, isto de ter razão cansa (estou a brincar, claro... ou talvez não...).

Mesmo se, numa análise global, os encarnados foram indiscutivelmente superiores, a verdade é que o resultado final fica inevitavelmente ligado à prestação de dois jogadores: Nuno Gomes e Ricardo Costa.

Se o primeiro voltou a demonstrar que, em boas condições físicas, é um elemento incontornável neste Benfica, como o seria, certamente, em qualquer equipa portuguesa - Selecção Nacional incluída -, o segundo insistiu em comprovar uma irresistível tendência para decidir jogos de futebol: tem um papel determinante no primeiro tento do camisola 21 e, não contente com isso, fornece a assistência para o segundo.

Confesso, contudo, que fiquei algo surpreendido com o evoluir do encontro. Depois de ver os azuis e brancos frente ao Belenenses - e a primeira parte ante o Artmedia -, entendi que o potencial ofensivo demonstrado poderia ser suficiente, a prazo, para colmatar as lacunas defensivas. Sem querer fazer deste tema o foco deste post - ou dos comentários -, acredito que, excepção feita ao sector recuado, a esmagadora maioria das alternativas ao dispor de Co Adriaanse - Raul Meireles, Ibson, Lucho, Quaresma, Alan, Diego, Lisandro, McCarthy ou Hugo Almeida - teria lugar cativo no onze de qualquer dos adversários directos - sabendo, porém, que estas generalizações são difíceis e sujeitas às necessidades específicas de cada plantel.

Pelo contrário, Ronald Koeman reagiu com inteligência às previsíveis dificuldades: sem descurar a vertente ofensiva, os laterais souberam evitar os lances de 1 para 1, promovendo a contenção até à chegada de auxílio - pelo menos até à entrada de Quaresma - enquanto Petit voltou a ser um gigante - este será, provavelmente, o pior trocadilho que já fiz - na batalha pelo controlo do meio-campo. Sem capacidade de progressão vertical e impedidos de subir em apoio, os dragões perdiam a posse de bola entre linhas e, com o tempo, perderam disponibilidade física e mental no momento da transição defensiva. Assim, o ilusório impasse do primeiro tempo resultou no efectivo domínio na etapa complementar, por parte dos encarnados, capitalizado pela classe de Nuno Gomes. Fundamental na vitória das "águias" foi também a colaboração de Nélson e Karyaka: caso para acrescentar, em mais um ataque de modéstia, "não digam que não avisei..."

Uma palavra final para as opções de Co Adriaanse: sem querer retirar qualquer mérito aos homens da Luz, é difícil de compreender como, tendo em conta as recentes exibições, o holandês preferiu deixar Quaresma no banco de suplentes. E, já agora, alguém podia fornecer ao técnico azul e branco as gravações dos encontros de Sub-21 e da Selecção Olímpica em que Bruno Alves e Ricardo Costa partilharam funções no eixo da defesa... Talvez percebesse alguma coisa...

sexta-feira, 14 de outubro de 2005

um criativo chamado ...

ele há coisas do arco da velha ! os media endoideceram e desataram a desrespeitar o periodo de silêncio ("black out") estabelecido pelo clube de alvalade ... então não é que o telejornal da rtp dá a notícia que o pugilista (peço desculpa e não é ao custódio ... quero dizer o ex actual futuro jogador) do scp quer sair do clube em dezembro, e até aqui tudo bem, até me parece coerente o facto de querer ir para um campeonato onde são necessários os seus mais recentes e bem demonstrados dotes, quanto mais não seja para enfrentar os adeptos turcos (que o diga o mário jardel ... a propósito lembram-se dele)...

o que é mais complicado perceber é que no mesmo dia o record diz que os jogadores não vão sofrer nenhuma sanção disciplinar e que ambos vão alinhar frente aos estudantes, e que ambos estão empenhados em ganhar jogos e as competições que estão em disputa ...

ora bem ... decidam-se porque na minha modesta opinião assim ninguém vai conseguir trabalhar ! o jogador que hoje é dado como quase certo no besiktas já esteve por diversas ocasiões de saída do clube (esteve quase no madrid), o jogador em causa já esteve quase para ser capitão do clube (o número de jogos até aqui disputados com a bracadeira permite esta má lingua !), o jogador em causa, dizem (e agora é que é a sério) as más linguas, não é compatível com o treinador josé (o primeiro quer ganhar e é um excelente profissional), o jogador em causa até contratou os adeptos (pura especulação) para baterem nos jornalistas esperando com isso que de uma vez por todas o treinador fosse posto na rua (enganou-se!), o jogador em causa foi e está a ser vitíma da política de dispensas da época anterior (o custódio é o braço armado do GARP ... no plantel)!!!


mas mais do que isso, nenhuma destas informações tem fonte revelada ... dei-me ao trabalho de consultar os sites da bola, do record, do jogo, da lusa, do scp, e do besiktas (http://www.bjk.com/), claro está que este último foi lido em turco ! ... e nenhuma destas fontes se refere ao episódio ...


vou processar esta gente toda ... isto é uma cabála ... contra um grande jogador, com espiríto de liderança (os meios justificam os fins) e muito injustiçado quanto a não chamadas à selecção ...


uns são mediáticos outros não ... uns tem os media a favor os outros não ...


isto não fica assim !!! garanto-vos ...


eu abaixo assinado
roberto luis gaspar de deus severo


p.s.: GARP "stands for" grupo de amigos do rui e do pedro, quer dizer, do jorge e do barbosa ...

Obrigado RTP Memória

Pela terceira noite consecutiva adormeci a ver o Benfica perder...

terça-feira, 11 de outubro de 2005

Beto Vs Custódio

Acho díficil criticar a atitude do capitão leonino. Afinal no dia anterior ele esteve meia hora reunido com as claques. Estavam à espera que ele a seguir fizesse o quê? Beijinhos, não?

segunda-feira, 10 de outubro de 2005

Irreal... Surreal... Ou talvez não...

Legitimamente solidário com seu pai, que acabava de ser reconduzido na presidência do município de Gondomar, João Loureiro não escondeu a satisfação que lhe invadia a alma.

Em directo para as televisões, o ex-BAN garantiu que se tratava de uma vitória da política sobre a justiça...

Palavras para quê?

PS - No seu discurso final, Manuel Maria Carrilho confessou um profundo temor pelo futuro de Lisboa. Percebeu-se a modéstia: o professor não imagina como poderá o Mundo sobreviver sem a sua sábia orientação. Aliás, o grau de humildade e elegância na hora da derrota inaugurou novos padrões.

sexta-feira, 7 de outubro de 2005

Corrigir injustiças

Muitas têm sido as críticas dirigidas a Paulo de Andrade, administrador-executivo da Sporting, SAD. Mesmo eu, num momento de rara falta de lucidez, cheguei a juntar a minha voz à daqueles que condenaram a atitude deste responsável no final da partida frente ao Paços de Ferreira.

Nada poderia ser mais injusto. Afinal, numa rara demonstração de altruísmo, Paulo de Andrade sacrificou a sua imagem em prol do bem comum. Ao abandonar o grupo de trabalho à sua sorte, o administrador-executivo atingiu o objectivo pretendido: unir o plantel em torno do seu treinador.

Não é todos os dias que se assiste a tamanha exibição de coragem e solidariedade, naquele que foi um brilhante exemplo de gestão de recursos humanos.

quarta-feira, 5 de outubro de 2005

de pernas para o ar ...

que grande confusão, a que se instalou no reino do leão ! pois bem aquilo que ainda não se disse e que neste momento baralha o presidente do conselho directivo foi onde é que ele errou (isto mesmo estará o próprio a pensar !)

é no mínimo estranho que a cadeia de administrador da sad tenha tantos picos (quantos já lá passaram nos últimos anos)... já sei que o argumento é que se torna muito difícil alguém que consiga blindar o balneário (qual ferreiro !), que consiga aguentar o cheiro a suor ! que consiga aguentar tantos vai levar no c... e vai para o c ....!

mas o problema não me parece ser esse (até me querem fazer querer, a mim e a todos os pobres de espírito que isso em futebol - peço desculpa em alta competição - é normal, e nunca o contrário, ou seja o reflexo de algo que está mal - má gestão, más opções, falta de coerência, mas prometo não mais bater nesta tecla ...)...


o problema é muito mais grave como dão a entender os bons artigos de opinião publicados nos diferentes jornais desportivos e blog`s (tinha que mandar este bitaite) e que vão desde o mais especulativo (nomes de sucessores de josé) até ao mais misterioso (problema de âmbito muito maior - a sad, a estrutura, as condições psico-sociológicas, o país)...


pois é, josé reforçou os seus poderes no final da época passada, pôde mandar embora alguns jogadores e contratar outros e numa clara presença de espírito dizer que com estas características (leia-se grupo de trabalho) o futebol tinha que ser mais directo, ou seja, demonstra que fez uma leitura, estudou e foi profissional... teve confiança, assumiu responsabilidades e agora ninguém lhe diz nada ... quer dizer os rapazes da sad não se dignaram a entrar no mal cheiroso balneário do clube visitante da capital do móvel !!!


este processo está errado desde o início porque se quis seguir a máxima futebolística, e não de gestão, que a equipa se começa a construir de baixo para cima (uuupppsss que me enganei de trás para a frente, ou não, outra vez, da defesa para o ataque !!!)


exmo sr. presidente do conselho directivo pense bem, quer dizer utilize esse tempo mágico chamado "black out" (porque o último já foi a algum tempo) e aceite a modesta visão de que só existem duas hipóteses (claro que não vou ser evidente !), ou o josé assume o enorme poder que tem na estrutura (e que já exerce na prática desde o final da época passada) e ocupa o lugar (formal) do paulo ou do rui (até pode escolher !) e fica a faltar apenas contratar um treinador !, ou "at last but not the least", substitui a adimistração da sad (mantém o treinador, obviamente ...) e como o processo está invertido ... depois, fica apenas a faltar, substituir-se !


P.S.: corolário: não se pode fazer de forma brilhante (tiro-lhe o chapéu !) a defesa do treinador e com isso não passar cartão às estruturas intermédias - o paulo e o rui também são gente, e digo eu, foram escolhidos por si, sr. dr., se não ... ?

terça-feira, 4 de outubro de 2005

It's SAD... so SAD...

Fiz aqui a defesa da estrutura que gere o futebol leonino, da mesma forma que defendi os treinadores de Sporting e Benfica. Acredito que se devem evitar os juízos precipitados sobre o exercício de qualquer função, em qualquer actividade, principalmente quando quem a exerce necessita de um óbvio período de adaptação

Fico, por vezes, chocado com o maniqueísmo que impera em muitas das opiniões expressas nos vários meios de comunicação, pois entendo que raras são as vezes em que, na vida, a responsabilidade cabe exclusivamente a uma pessoa ou a uma entidade.

Não acredito no extremar de posições, na divinização de personagens nem em figuras demoníacas. Creio, contudo, que a crítica é legítima e deve ser exercida de forma responsável, quando a realidade o justifica.

Assim, importa actualizar a minha opinião sobre a acção da SAD leonina, principalmente no momento difícil que a vida desportiva e social do emblema verde e branco atravessa.

A inexistência de uma figura próxima do plantel, capaz de assumir a defesa do grupo e do seu técnico, fundamentalmente na hora das derrotas, foi a lacuna fundamental que muitos identificaram na gestão de Carlos Freitas, enquanto Director-geral para o futebol verde e branco. Foi com esse argumento que, após a sua saída, Paulo de Andrade foi incumbido de desempenhar esse papel. O agora administrador-executivo fez questão de vincar a importância da função, deixando no ar a crítica implícita ao desempenho do antigo gestor de activos.

À passagem da sexta jornada do Campeonato, porém, foi (com Rui Meireles) protagonista de um episódio - que, aliás, não é único - capaz de provocar a indignação de técnicos e jogadores. Em Paços de Ferreira, na altura em que o grupo de trabalho mais precisava da presença, da confiança e do incentivo da estrutura, este foi abandonado.

Até agora, desde a vitória frente ao Setúbal, em Alvalade, não se ouviu ao administrador-executivo uma palavra de confiança relativamente ao técnico, nem muito menos uma posição definida sobre a realidade da equipa de futebol. A postura passa, indiscutivelmente, por palavras ambíguas e desresponsabilização.

A verdade é que o único elemento do Sporting Clube de Portugal que assumiu responsabilidade, capacidade de decisão, uma postura clara - em suma, deu a cara - foi... o presidente. Dias da Cunha defendeu José Peseiro, não apenas como treinador em quem confia, mas como homem que lhe merece respeito e consideração.

Esta é uma realidade que deverá ter consequências a curto prazo. Para quem, insistentemente, me pergunta "o que está mal em Alvalade" - que, à sexta jornada, nem sequer justificará a onda de contestação vigente, provocada, no meu entender, por interesses diversos -, este post poderá ser um princípio de resposta...

segunda-feira, 3 de outubro de 2005

As opções do leão

Escrevi aqui que a partida de Paços de Ferreira seria decisiva para aferir da utilidade de José Peseiro no comando técnico do Sporting e, independentemente da maioria das opiniões expressas nas últimas horas, quer na imprensa, quer na blogosfera, as conclusões não são lineares.

Era fundamental perceber se os jogadores leoninos estavam dispostos a lutar pelo seu líder e, apesar da pesada derrota sofrida, a resposta dada pelo plantel foi francamente positiva.

Imaginem qual seria o estado de espírito daqueles atletas ao intervalo, a perder por 2-0, com golos encaixados em circunstâncias especialmente cruéis. Seria fácil, sobretudo para os "descontentes", para aqueles que "não respeitam" o treinador, fazer uma segunda parte "tranquila", sabendo que isso significaria a despedida do técnico. Ora, em vez disso, os onze elementos que subiram ao relvado da Mata Real para a etapa complementar lutaram desesperadamente para conquistar um momento de felicidade que lhes permitisse regressar à discussão da contenda. Foram profissionais, dignos e... leais a José Peseiro. Ouçam, ou leiam, com atenção as palavras proferidas por Ricardo após o apito final, através das quais professou a defesa do grupo e do... técnico. O Sporting pode ter perdido três pontos, mas pode ter ganho uma equipa

Não quero com isto dizer que a margem de manobra seja vasta, muito pelo contrário, o treinador verde e branco está numa situação extremamente difícil, sendo vários os argumentos que apontam para o seu afastamento.

Importa, porém, reflectir sobre as opções disponíveis.

Os efeitos da tão famosa "chicotada psicológica" são, na sua maioria, nefastos, sendo uma solução que se aplica apenas a grupos cujos objectivos são já inalcançáveis e/ou a equipas cujo divórcio com o treinador seja irreversível, ao ponto de qualquer evolução positiva se tornar impossível. Nestes casos, a reconstrução das relações psico-sociais e a requalificação do espaço individual pode fornecer uma "injecção" artificial de motivação, útil a quem, por exemplo, tem poucas jornadas para evitar a despromoção.

À sexta jornada, com apenas dois pontos de atraso em relação ao líder, o leão tem contrato com um treinador que ajudou a construir este plantel e que, desde que seja capaz de devolver estabilidade à equipa, tem condições para potenciar as qualidades dos atletas disponíveis. Um eventual substituto teria de passar por um período de adaptação - tal como a equipa -, sendo provável que a medida resultasse no abdicar consciente de qualquer possibilidade de conquistar títulos no ano do centenário do vosso clube.

Assim, a escolha terá de ser feita entre manter a aposta em alguém que, no seu melhor, pode conduzir este conjunto a um nível superior e uma alternativa de recurso - provavelmente, também de transição - a eleger entre o reduzido número de opções disponíveis - leia-se acessíveis.

Quando o lote de alternativas se reduz a... José Couceiro (ou a outro como ele)...